Blog

Anestesia em cirurgia plástica



Muita gente tem vontade de realizar algum procedimento em cirurgia plástica mas esbarra no medo da anestesia. Histórias de anestesias que “não pegaram”, de gente que ficou acordada e viu tudo durante a cirurgia, além dos riscos envolvidos e algumas más experiências previas assustam. Vamos esclarecer brevemente sobre os tipos de anestesias e quebrar alguns mitos envolvidos.

Assim como toda a medicina a anestesia continua evoluindo rapidamente, promovendo resultados melhores e mais seguros. Novas tecnologias e drogas possibilitam menos efeitos adversos, menores riscos e mais qualidade da anestesia tanto para o médico anestesiologista, cirurgião e principalmente para o paciente.

Cada anestesia é planejada cuidadosa e individualmente, avaliando dados do paciente e do tipo de cirurgia. Doenças existentes, medicações em uso, idade, peso são considerados, além do tipo e tempo de cirurgia.

Os tipos mais comuns de anestesia são:

  • Anestesia local: Usada principalmente para procedimentos realizados em ambiente ambulatorial e consultório, não causa perda da consciência e amnésia. O anestésico inibe a sensação de dor no local aplicado e por isso é muito utilizado para pequenos procedimentos, como retirada de pinta, cistos, tumores de pele, extração de dente, entre outros. O paciente tem alta imediatamente após o procedimento.
  • Sedação + local: Juntamente com a anestesia local descrita anteriormente é realizada aplicação de medicamentos tranquilizantes, que causam sonolência, tranquilidade e amnésia. A alta pode ser realizada algumas horas após o procedimento, sendo utilizada em cirurgias de pequeno e médio porte, como blefaroplastia (pálpebras), rinoplastias (nariz), tumores extensos, etc.
  • Raquidiana: Conhecida como raqui é realizada através de uma punção nas costas, em que a agulha penetra a medula espinhal onde é colocada a medicação junto ao liquido espinhal (vai até o cérebro) provocando a ausência da dor e dos movimentos abaixo da área atingida. Usada em cesarianas, cirurgias de membros inferiores, abdominoplastia, lipoaspiração e até em cirurgias da mama.
  • Peridural: Semelhante a raquianestesia difere pelo local onde o anestésico é depositado, na região ao redor do canal espinhal, e não dentro. Promove a perda do estimulo doloroso sem causar a perda da mobilidade. Usada em plásticas abdominais, lipoaspiração e cirurgias das mamas.
  • Anestesia geral: Medicamentos aplicados por via inalatória e/ou venosa promovem a anestesia do corpo todo, sendo necessária a intubação traqueal para que o paciente respire com ajuda do respirador mecânico. Apesar da fama de ser a mais perigosa é nesse tipo de anestesia que o anestesiologista tem maior controle do paciente, controlando a pressão e frequência cardíaca, além de muitos outros parâmetros fundamentais. Cirurgias mais longas, pacientes mais graves requerem esse tipo de anestesia.

 

Boomerang

           

Convênios